de caminhão pela áfrica


Chobe National Park, Botswana, 02 de agosto de 2011

A África está cheia de lugares excepcionais, com cenários exuberantes, vida selvagem em abundância e grande diversidade cultural. Uma aventura tentadora. Porém, na maioria dos países a infra-estrutura é precária, o transporte público é quase inexistente e os lugares que você quer ver estão longe dos maiores centros urbanos. Assim, viajar de forma independente pelo continente pode ser uma tarefa bem complicada ou assustadoramente cara. Havia uma saída? Sim. E tem se revelado um dos programas mais incríveis de nossas vidas.

 

 

Estamos em um overlanding: uma espécie de excursão no estilo “faça você mesmo” que torna tudo muito mais prático e acessível. Meio de transporte: caminhão – com um quê de ônibus com assentos razoavelmente confortáveis. Hospedagem: acampamentos. Refeições: comidas simples e deliciosas que são preparadas na cozinha improvisada que montamos e desmontamos pelo menos duas vezes ao dia. Um cozinheiro queniano (por sinal, uma das pessoas mais encantadoras que cruzamos pelo mundo) comanda a operação, mas os passageiros se dividem em turnos para ajudá-lo. Fora isso, temos a bordo um motorista/mecânico inglês e um americano que lidera a trupe.

Nosso caminhão com uma parte da turma em cima

 

Fora o revezamento na cozinha, todos temos diferentes tarefas na empreitada, que passam pela limpeza do caminhão, carregar e descarregar bagagens e até mesmo certificar-se de que ninguém está ficando pra trás durante a viagem. A Letícia ficou responsável por trocar lixos e manter o freezer limpo e o Fred por subir e descer os colchões e barracas do teto do caminhão. Normalmente, acordamos muito cedo em um frio de trincar os dentes, desmontamos nosso acampamento ainda de noite e tomamos o café da manhã com o sol nascendo. Daí pra frente, pegamos estrada rumo ao que a África tem de melhor, na medida em a temperatura vai subindo e o corpo vai acordando pra mais um dia de surpresas.

Limpeza dos vidros - todo mundo tem que por a mão na massa

 

Letícia participando da turma da cozinha

 

Nossa jornada começou no dia 15 de julho, quando embarcamos em um desses caminhões em Cape Town. Aliás, ele (ou ela) tem nome e chama-se Helena. É de uma empresa chamada Dragoman, mas existem outras nesse mercado com opções de rotas no mundo inteiro. Temos outros 17 companheiros de estrada dos Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Irlanda, Suíça, Holanda, Dinamarca, Alemanha e Austrália. Para nós, o trajeto é de 21 dias e segue pelo litoral oeste da África do Sul, atravessa a Namíbia de sul a norte até a fronteira com a Angola, ruma para o leste, corta Botswana e termina em Victoria Falls, na fronteira da Zâmbia com o Zimbábue. Parte da trupe segue viagem por mais várias semanas até chegar a Nairóbi, no Quênia.

 

Nosso roteiro com a Helena

 

A jornada:

Dia #1: Esperamos com ansiedade o começo dessa parte da viagem. Era a única coisa que tínhamos reservado antes de sair do Brasil e o único momento em previmos não viajar totalmente por nossa conta. Nesse primeiro dia, tivemos alguns relances das praias do litoral atlântico da África do Sul e chegamos a Citrusdal, já no norte do País. De noite, vendo a lua cheia nascer, fizemos uma degustação de vinhos no acampamento. Foi uma chance de formar as primeiras impressões do grupo. Em mais alguns dias de convivência intensa, irão surgir os grandes amigos, alguns novos casais e as pessoas que brigam ou não se falam. Somos nós dentro do reallity show!

"Elegância" - degustação de vinhos no acampamento

 

Detalhes da África...

 

#2: Durante esse dia, entramos na Namíbia e rumamos para Noordower. Acampamos na margem do Orange River, que delimita a fronteira com a África do Sul. Uma paisagem linda, uma estrutura descente e um ponto muito gostoso pra relaxar admirando o rio. Lá, como na maioria dos lugares que ficamos, havia banheiros e, dependendo do horário, a água do chuveiro pode até estar quente. Essa é a regra, mas já tivemos exceções.

 

Orange River, fronteira da África do Sul com a Namíbia

 

#3: Continuamos seguindo pro norte, mergulhando na paisagem árida da inóspita região do Deserto da Namíbia. Helena – nosso caminhão – começou a chamar atenção pra si, dando problemas por duas vezes na estrada e testando as habilidades mecânicas da equipe. Com tudo aparentemente resolvido, pudemos seguir para o Fish River Canyon, uma das grandes maravilhas naturais da África. Com mais de 150km de extensão e 500 metros de profundidade, é um dos maiores canyons do mundo e um escândalo de tons de laranja durante o pôr do sol.

Fish River Canyon

 

Curtindo o pôr do sol no Fish River Canyon

 

#4: Dia de seguir para Soussusvlei, um pequeno oásis no meio da sequidão do deserto. Helena mostrou que continuava de mau humor e tivemos que fazer novas paradas pra manutenção na estrada. Forçada ao limite pra chegarmos ao acampamento, a situação complicou de vez assim que paramos. Problemas à parte, passamos por memoráveis campos dourados e vimos os primeiros sinais da abundante vida selvagem com empalas, springbocks e javalis cruzando nosso caminho.

Helena de cabeça baixa na estrada (e a gente parado mais uma vez....)

 

Cenários da Namíbia

 

#5: Helena teve um dia de oficina (dentro do possível na isolada região em que estávamos) e nós tivemos um dia de “folga”.  Ótima oportunidade pra acordar depois do sol e curtir a beleza natural daquele pedaço de chão. Caminhamos alguns quilômetros até o Sesriem Canyon, com cara de paisagem marciana e lar de insetos maiores que nossa mão. Bonito e inesperado. De tarde, curtimos uma gelada piscina, um luxo relativamente comum nos acampamentos que passamos. Como foi se tornando hábito, de noite abrimos uma garrafa de vinho em torno da fogueira e sob o céu com todas as estrelas que as luzes da cidade não nos deixam ver.

 

Sesriem Canyon

 

À noite, a temperatura despenca e nós nos agrupamos em torno da fogueira

 

#6: Acordamos excepcionalmente cedo. E isso não é pouco, dado que normalmente saímos do saco de dormir por volta de 5h30. O sacrifício teve sua recompensa, quando o sol nasceu já estávamos no meio das dunas do Deserto da Namíbia. Precisamente, no topo da Duna 45, a atração mais conhecida do País. A areia vermelha é resultado de milhões de anos de oxidação no deserto mais antigo do mundo e os primeiros raios de sol do dia acrescentaram intensidade e beleza ao cenário. Helena? Mais problemática do que nunca. Parou um, duas, três vezes e aí não queria mais voltar a funcionar. A meio caminho de Swakopmund – pra onde estávamos seguindo – e perto de lugar nenhum, parecia que teríamos passar a noite ali. A gente tinha barraca e um pouco de comida pro jantar e acampar ali na beira da estrada não seria bom, mas também não seria o fim do mundo. A questão é que o novo dia não traria nenhuma solução mágica e nossos estoques já começavam a minguar. Foi quando Mash, nosso cozinheiro, insistiu pra que tentássemos ligar o caminhão de novo, mesmo sem que nenhum outro esforço de manutenção tivesse sido feito. Apenas porque ele teve “um forte pressentimento” de que daria certo. E deu! Voamos pra Swakopmund sem dar tempo a Helena de ter mais uma de suas crises.

Admirando o sol nascendo no alto da Duna 45

 

Dunas do Deserto da Namíbia

 

Em Swakopmund, nós ficamos por três noites, dormindo em um chalé no conforto de uma cama de verdade. É uma cidade de porte razoável (para os padrões da Namíbia que tem menos de 2 milhões de habitantes) e é um pólo de turismo de aventura, oferecendo várias opções de atividades. Também tinha uma oficina mais bem equipada, o que foi o suficiente pra finalmente sanar (ou quase) os problemas do nosso caminhão. Os detalhes vem no próximo post, confiantes que estamos de que a Internet estará conosco…

Esse post foi publicado em África do Sul, Namíbia e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

49 respostas para de caminhão pela áfrica

  1. Anônimo disse:

    Fred e Leticia, se vcs fosse novamente fazer fariam pela Dragoman ?
    Como vou estar sozinha preciso fazer coisas com pessoas e sou tranquila com acampamento, adoro cozinhar já viajei longas viaagens de moto… bj

  2. Luciana e Gustavo disse:

    Nossa Fred e Leticia, achei incrivel essa parte!
    Uma experiencia unica, nao é mesmo???
    ADOREI….
    Super beijo e até qualquer hora…. beijao
    Luciana

  3. Iliana disse:

    A foto da degustação está tão feliz que pus na minha àrea de trabalho.Mais bjs…Mama

  4. Iliana disse:

    Fred e Leticia,meus amores. A beleza e alegria que estão, me matam de saudades e inveja.
    Fred, sabe da minha paixão por estes tipos de aventura. Lembra filho como com poua natureza à volta, nos desfrutávamos delas.
    Em causa própria , talvez, acho que vcs estão vivendo as suas “almas” da viagem.
    Fiquem com Deus, se é que já não estão no paraíso.
    Bjs, bjs,bjs….

  5. Anônimo disse:

    Iliana, reclama, onde está o meu carinhosos comentários.
    O prloma é meu ou do Blog…
    Bjs, bjs ,meus amoes.
    Mama.

    • Problema do blog! O problema nunca é seu! rs… Às vezes, demora um pco pra entrar. Entre sempre com seu email, pq aí não depende de aprovação. Como a gente tava sem internet, não conseguíamos aprovar os comentários. Bjão!

  6. Anônimo disse:

    Iliana,
    Amores que aventura. Me parece que vcs nesta passagem estão onde mais os atraía.
    Sigam com Deus. Bjs,bjs,bjs

  7. Anônimo disse:

    Em uma tarde de grande saudade… parei um pouco minhas atividades na Claro para ver por onde anda a Let. Sabe o que aconteceu? A saudade aumentou!!!
    Meninos, essas fotos estão de mais! Profissa, né? ;)
    “Helena” é coisa da Let? Tal como o “Jurandi” e o “Capitão Caverna”?
    Super beijos e um monte de xaudade!

  8. maria aparecida disse:

    O ORGULHO SE APODERA DO CORAÇÃO AO VER O CASAL PARTICIPANDO DE TAMANHA AVENTURA. A ALEGRIA SE APRESENTA AO SABER QUE SENDO TÃO JOVENS SABEM USUFUIR DE FASE ÚNICA. SAÚDE AO CASAL. PARABÉNS PELA INICIATIVA.

  9. Mári disse:

    Let e Fred… amei o post sobre a minha África. Este é um dos roteiros que com certeza vou fazer. Sonho… o deserto da Namíbia é um lugar que faz uns anos que quero ir e, na companhia da temperamental Helena, com certeza tem os seus encantos. Como disse seu pai Let “Quem diria vc acordando de bom humor às 5h da manhã heim?”…. beijinhos e muitas e muitas saudades.

    • Mári, lembramos de vc o tempo todo! Qdo vc vier, vc vai amar, é tudo mto lindo!!! Confesso que o bom humor só vinha às 5h15, pq os primeiros 15 minutos naquele frio eram de lascar! rs… Bjos e mtas saudades!

  10. Rogério disse:

    Ha é, a foto da Helena ao amanhecer ficou linda! A Letícia é a que está com as mãos na cintura?

    Fui!
    Peixe

  11. Rogério disse:

    Uau! Legal demais! Acompanhar a viagem de vocês já é uma viagem.

    Enquanto isso no Brasil… Estamos no Mato Grosso do Sul e passeando por vários “exteriores” como diz meu cunhado, quer alguma muamba do Paraguai? Alguma encomenda da Bolívia? kkkkkkkk Bonito é bonito, mas bonito mesmo é Jardim.

    Abraço,
    Peixe

    • Ué, peixe, q viagem é essa aí? Pareceu bem bom, hein!!! Tá de férias de novo, malendro? ehhehehe
      Só não entendi a parte do bonito é jardim… cuma?!
      Abração, brother!!!

  12. Hermógenes e Maria do Carmo disse:

    Estávamos conversando sobre a viagem de vocês e concluímos que um dos aspectos que mais nos impressiona e que nos deixa satisfeitos, entre tantos outros, é o alto astral que vocês estão conseguindo manter, fazendo do infortúnio fonte de prazer. “A pane ocorrida com Helena foi a oportunidade para acordar depois do sol e caminhar por paisagem bonita e inesperada… O sacrifício de despertar excepcionalmente cedo foi recompensado pelo belíssimo cenário do nascimento do dia visto das dunas… Apesar de todos os problemas, passamos por memoráveis campos dourados…” No final, tudo é compensado pela “comida simples e deliciosa feita por uma pessoa encantadora, Mash, o queniano”…
    Infindáveis são os exemplos desse bom e aventureiro estado de espírito que contribui, em muito, para que vocês aproveitem por inteiro a fantástica aventura que estão vivenciando.
    Some-se a isso a prática da cidadania plena, exercida pela democrática divisão de tarefas!
    Quem diria… Letícia acordando às cinco horas da matina e manuseando o lixo, sem mostrar cara de nojo e satisfeita pela tarefa imposta e corretamente cumprida! Quem diria…
    Demais disso, tudo já foi dito… tudo é redundante…
    Sejam felizes e aproveitam ao máximo a oportunidade que vocês estão se dando.
    Beijos saudosos.

    • Mas como a gente poderia não estar satisfeitos com tudo o que estamos vivendo?! Os pequenos preços que temos que pagar acabam fazendo parte da aventura e da experiência. Tá certo que cair pra mim logo manusear o lixo foi demais rs… Melhor do que varrer o caminhão! Foram dias mesmo muito especiais, adoramos!! Saudades de vocês. Bjos

  13. Fellipe Faria disse:

    Olá, passei mais uma vez por aqui e percebi que as fotos e os posts estão cada vez mais fantásticos! Boa sorte e aproveitem bastante (não vejo a hora de embarcar no meu mochilão…)

  14. fernanda disse:

    aventura incrível! e que foto é aquela do caminhão no por do sol, fred??? maravilhosa! beijão, Fernandinha, direto da Finlândia! :)

  15. Anônimo disse:

    Incríveis as fotos! Maneiro o modo de viagem escolhido. Ab´s, Cibele.

  16. Anônimo disse:

    Meus queridos, apesar de minhas menos frequentes manifestações, continuo grudada em vcs! A Helena deve estar naqueles dias… Talvez um caminhão macho seria menos temperamental…rs! Saudades… Amanda.

  17. Guilherme disse:

    Um salve à Duna 45! Um saravá de cura à Helena! Enjoy, dear friends, pois tá linda esta rota!

  18. Anônimo disse:

    Fred e Letícia, que aventura inesquecível!!!!
    Bjo grande,
    Gabi

  19. Marcelo Michel disse:

    Que visual maravilhoso! Estamos acompanhando vocês de perto! Bjão!

  20. nossa, isso eh o que eu chamo de volta ao mundo! adorei a Helena de cabeca baixa, morri de rir! saudadonas de vcs, bjs.

  21. Paula disse:

    A-D-O-R-E-I Helena ! :)
    Lindas fotos e ótimo texto como sempre. Sigo na torcida pra que vcs estejam se divertindo horrores.
    Amiga, você continua com uma cara ótima e linda!! A musa do blog não está na sua temporada mais “fina” mas mesmo assim tá linda linda!

    Beijo grande pros 2 e saudades!
    Paula

    • Definitivamente, o luxo ficou pra trás! ahahahaha!
      Obrigada, amiga! Fred também manda agradecer e falou que só não vai te contar como é que tá o meu pé… hahaha!
      Bjão

      • Paula disse:

        tenho certeza que tá muito pior que pé de múmia hahahahahaha!
        bjos

  22. Leandro e Tatiana disse:

    Parabéns amigos!! Estamos acompanhando de perto!! Quando chegar a vez da India, Me avisem antes para eu acionar meus amigos de
    Lá!

    • Que Maravilha!! que Deus os proteja!!! Tô viajando com vocês…

    • Anônimo disse:

      O RELATO DA AVENTURA ME DEIXOU MUITO ORGULHOSA DA MINHA AMIGA Mª DO CARMO,POIS ELA FALA COM MUITO ENTUSIASMO DA BRAVURA DE SUA FILHA E DO EMPREENDIMENTO DO FRED. PELAS FOTOS VI TB QUE PROCEDE A ATITUDE DELA. TOMARA ESSE RELATO FIQUE NO MEU DNA P/ QUE EU POSSA NA OUTRA ENCARNAÇÃO TER A CORAGEM E O DESPREENDIMENTO DESSES JOVES E EXECUTAR O QUE MUITOS GOSTARIAM E DEVERIAM FAZER NESSA FASE. QUEM DERA EU TIVESSE TIDO A OPORTUNIDD DE,EM MINHA JUVENTUDE……….!!!!!! SAÚDE E OTIMISMO A LETICIA E FRED.

    • Valeu, Leandro!
      Ah, estamos contando mto com seus contatos lá!
      Daqui mais ou menos 2 meses, estaremos na Índia e te damos um toque.
      Abração!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s