as cavernas da índia


Bangkok, 16 de novembro de 2011

Em nossos últimos dias na Índia, ainda tivemos tempo pra uma bela surpresa. As grutas de Ajanta e Ellora provaram ser dois dos mais fantásticos sítios arqueológicos do mundo. Ficamos escandalizados com sua beleza e grandiosidade. Se não têm a fama de Machu Picchu ou Petra, não devem em nada em esplendor e também retratam maravilhas ancestrais de uma civilização quase esquecida.

Kaisala, em Ellora, visto por cima

No interior de uma das cavernas de Ellora

No interior de uma das cavernas em Ajanta

A melhor base pra explorar a região é a cidade de Aurangabad (Jalgaon é outra opção, embora menos prática pra ir à Ellora). Fomos de trem noturno a partir de Mumbai, o que trouxe dois inconvenientes: o primeiro, a chegada marcada pra 4hs da manhã; e o segundo, como os trens na Índia atrasam e as coisas são mal sinalizadas, foi difícil ter certeza em qual estação descer. Apesar do estresse na madrugada, tudo deu certo e ainda conseguimos dormir um pouco essa noite. Em Aurangabad, tem um pequeno Taj Mahal (devem existir pelo menos duas dezenas deles na índia…) e outras atrações menores. Mas, como a maioria das pessoas, fomos pra lá pelas grutas que são facilmente acessados em ônibus urbanos, mesmo que os persistentes taxistas insistam o contrário.

Nosso primeiro destino foi Ajanta, a mais ou menos 2h30 de ônibus de Aurangabad. É mais antiga que Ellora, tendo sido construída entre o sec. II AC e o sec. VI. Isso quer dizer que as encostas íngremes daquela curva de rio começaram a ser esculpidas por obstinados monges budistas há mais de 2.000 anos! Foram posteriormente abandonadas, esquecidas e, então, reclamadas pela natureza. Assim permaneceram por muito tempo até serem, por acaso, redescobertas em 1.819. É possível subir a um mirante pra testemunhar a vista panorâmica das grutas e da natureza em torno. Beleza que não envelhece.

A vista do mirante em Ajanta. As cavernas podem ser vistas lado a lado

Fachadas de duas cavernas de Ajanta

Entrada de caverna em Ajanta

As grutas são um espetáculo por si só. Imaginar que a partir da rocha crua os monges esculpiram templos sofisticados, com amplas fachadas, estátuas e altares ricos em detalhes é incrível. E mais do que isso, todos esses séculos de isolamento permitiram preservar os afrescos do seu interior. O ponto alto de Ajanta são suas milenares pinturas, ainda lá contando a história das primeiras instituições religiosas indianas. São 30 grutas ao todo, algumas delas inesquecíveis.

As paredes do interior das cavernas em Ajanta ainda mantém as pinturas milenares.

O interior é repleto de detalhes esculpidos nas paredes

Essa imagem é adorada pelos peregrinos budistas

Peregrinos Japoneses que corriam as cavernas rezando para Buda.

A ascensão de Ellora determinou o abandono de Ajanta. O foco dos monges escultores mudou de região, ampliou a escala e refinou sua arte. Fomos lá no 2º dia e o ideal é fazer mesmo nessa ordem, pois depois de Ellora qualquer outra caverna artificial praticamente perde a graça. É colossal. O ápice de uma empreitada capaz de desafiar a sabedoria de um engenheiro moderno. Aos budistas, uniram-se “construtores” hinduístas e jainistas, prova de um período de tolerância religiosa e sinal de que um pouco de concorrência ajudou a inflar a ambição na construção desses templos de rocha.

Kaisala Temple visto do seu interior.

Escultura com inspiração no Kama Sutra

Começamos pelos cinco templos jainistas, quase todos interconectados internamente, com pilastras e esculturas maravilhosamente detalhadas, fachadas lindíssimas e até uma espécie de pátio externo. Tudo feito sem acrescentar um pedaço de pedra, apenas retirando os excessos, esculpindo diretamente na montanha. As 12 grutas budistas são maiores e lembram o estilo de Ajanta.

A fachada de um dos templos Jainistas em Ellora

Cada parede ou fachada expõe detalhes incríveis

Repare nos detalhes das pilastras

E são as 17 grutas hindus, com suas rebuscadas esculturas, que vão ganhando escala e complexidade até chegar ao extremo do Kailasa Temple. Esse gigantesco templo, a maior obra monolítica do mundo, é uma das grandes maravilhas da humanidade. Não existem muitas palavras disponíveis que possam descrevê-lo. Foi finalizado por volta do ano 760 como um monumento à Shiva e segue sendo utilizado como local de culto. A primeira visão que se tem dele é de perder o ar, puro deslumbramento, quase um susto. Impressiona o tamanho, a perfeição, a beleza. Olhamos por fora, por dentro, por cima, de todos os ângulos que pudemos. No final, estávamos surpresos porque encontramos algo muito mais extraordinário do que a gente esperava. Dias assim são raros até mesmo em uma volta ao mundo!

A primeira visão ao entrar em Ellora: Kaisala Temple

A vista do alto do Kaisala Temple é de tirar o folêgo

Detalhes no interior do Kaisala Temple.

No Kaisala Temple existem esculturas como essas evocando os feitos de Shiva

Assim terminaram nossos dias na Índia. Antes de chegarmos lá, já tinham nos falado muito sobre como era visitar o País. Honestamente, na maioria das vezes, tocaram o terror! Sem querer criar ilusões, de fato não é fácil. Existe muito assédio, risco de furtos, pouca higiene etc. Mas, também não é nada de outro mundo. Tomando cuidado, usando purificadores nas águas que bebemos, prestando atenção às situações mais arriscadas e sabendo ignorar quem estava lá apenas pra nos importunar, saímos ilesos e felizes. Nenhum contratempo sério de ordem estomacal ou policial e muitas belezas e experiência que só são possíveis de se viver por lá. No final, foi bem mais simples do que nos tinham feito pensar que seria. E garantimos a qualquer alma “não pequena”, é uma visita muito gratificante!

Famílias inteiras queriam uma foto nossa. E é claro que a gente também aproveitou...

Nosso último adeus à India

No próximo relato, antes da começar a falar dos dias no Sudeste Asiático, contamos em detalhes como fazer pra pegar trens na Índia. Post de mochileiro pra mochileiro, cheio de dicas bem úteis.

Esse post foi publicado em Índia e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

24 respostas para as cavernas da índia

  1. Wesley Ogando disse:

    Essas cavernas foi o que faltou no meu CV na minha visita da India.

  2. Rosângela disse:

    Vocês conseguiram me apresentar lugares muito interessantes na Índia! Como vocês, sempre ouvi muitas coisas estranhas da Índia, o que não é mentira, certo? Mas conhecer o país através de voces me ajudou a ter outra impressão do lugar. Essas grutas são o máximo. É uma obra grandiosa e acho que vale a pena enfrentar as dificuldades desse país para ve-las pessoalmente.
    Mais uma vez adorei!

  3. Alex Araújo disse:

    Adoro as postagens de vcs !!!! mantenha-me sempre a par, um dia vou fazer o mesmo ! boa viagem ! Paz ! Namaste !

  4. Anônimo disse:

    Letícia e Fred, muito obrigada pela aula virtual que acabei de ver.
    Que grandiosidade e riqueza de detalhes nestas cavernas maravilhosas.Seriam a 10ª maravilha do mundo?
    Eu não tinha a menor idéia de que estas cavernas existiam…quiça poder admirá-las mesmo que pela tela do meu laptop, com alguma intensidade. Nunca havia ouvido falar nelas até o seu breve e rico relato neste blog.
    Até a próxima aventura…Estou ansiosa.
    Bjks. E… vão com Deus.

  5. Bethânia disse:

    Que fotos maravilhosas!E que lugares sensacionais!Gratas surpresas!
    Vocês estão nos dando uma grande aula de cultura!

    Bj gde nosso

  6. Ana disse:

    Gente, que lugar extraordinário!!! Impressionante! Quero demais conhecer! Beijos pra vcs!

  7. Lindo demais!!! Morro de vontade de conhecer Ajanta, talvez na próxima ida à Índia! Bjks!

  8. Kécia Torres disse:

    Maravilhoso relato! E que fotos!! Estilo National Geografic….hehe…
    Acho que todo mundo que ler vai ficar com a vontade aguçada por conhecer estas maravilhas!
    Foi delicioso conhecer a India através de vcs! Não tenho mais palavras.
    Um beijo!

  9. Shirley disse:

    Impressionante!!! Agora fico imaginando o trabalhão que esse povo teve para esculpir tudo isso… Já pensaram em escrever um livro sobre essa volta ao mundo??? Eu vou querer um autografado rsrsr… Vcs relatam tudo numa clareza, e de forma gostosa de se ler…

    Abraço

    • Bota trabalhão nisso!!! E planejamento! Imagine que nada poderia dar errado. Ah, vc tirou esse monte de pedras dali? Seria uma coluna de sustentanção, vamos ter que começar tudo de novo em outro lugar! rs…

      Obrigado pelos elogios! Por enquanto, a gente só consegue pensar nos nossos destinos, nas fotos e em fazer o blog. Mas, quem sabe no futuro… :)

      Abraços!

  10. Ivaneide disse:

    Gente, que lindo!! magnifico mesmo!! fiquei com muita vontade de conhecer este lugar. Reportagem está muito boa, parabéns! principalmente por conseguirem ir e vir bem, principalmente graças a esse epírito de aventura e do bem que vocës transmitem!! continuem que estamos acompanhando….

  11. cida disse:

    PARABÉNS POR MAIS ESSA AVENTURA. COM A ALMA LAVADA E PLENA É TEMPO DE NOVOS CONHECIMENTOS. AVANTE! ABRAÇOS CARINHOSOS.

  12. Eduardo Domingues disse:

    Que beleza de fotografias! se existir um Pulitzer de fotografias vocês vão merecer um! Sem muita pose, mas com muita felicidade nas escolhas! bjs. ~Eduardo, Juliana e Gabi

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s